PREFEITURA DE SÃO PAULO CONTRATA!!!

Conforme publicado no DO de 11/09 (pgs. 42-44) torna-se público, para conhecimento dos interessados, que a Secretaria Municipal de Educação – SME, por intermédio das Diretorias Regionais de Educação, receberá nos dias 17 a 21 de setembro de 2018, no horário das 10h00 às 17h00, as inscrições para credenciamento de coordenadores de polo, agentes de recreação e oficineiros nas áreas de artes, cultura, esporte, turismo e lazer, para atuarem no âmbito da Secretaria Municipal de Educação. O presente Edital (em anexo) visa credenciar coordenadores, agentes de recreação e oficineiros para atuarem nos polos do Programa Recreio nas Férias e em demais ações da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo, tais como: Virada Esportiva, Virada Sustentável, Virada Cultural, Visitas Monitoradas e Atividades de Extensão de Jornada dos CEUs, CECIs, e outras atividades que envolvam cultura, esporte, turismo e lazer no âmbito desta Pasta, de acordo com as atribuições especificadas neste Edital.

Solicitamos ampla divulgação na comunidade escolar.

A REMUNERAÇÃO

O contratado receberá de acordo com o que segue:

· Coordenador de polo do Recreio nas Férias, o valor de R$ 19,90 (dezenove reais e noventa centavos) por hora efetivamente realizada, sendo, no máximo, 8 horas diárias, totalizando R$ 159,20 (cento e cinquenta e nove reais e vinte centavos) por dia de trabalho de 8 horas.

· Agente de recreação, o valor de R$ 15,70 (quinze reais e setenta centavos) por hora efetivamente realizada, sendo, no máximo, 8 horas diárias, totalizando R$ 125,60 (cento e vinte reais e sessenta centavos) por dia de trabalho de 8 horas.

· Oficineiro, em qualquer modalidade, o valor de R$ 44,00 (quarenta e quatro reais) por oficina de 1h30 efetivamente realizada, sendo, no máximo, 5 oficinas diárias, totalizando, no máximo, R$ 220,00 (duzentos e vinte reais) por dia de trabalho.

Áreas de Oficinas:

ü Artes Cênicas: ministrar oficinas de iniciação ao teatro; corpo, voz, direção e técnicas de interpretação; noções de direção e técnica teatral, cenografia, iluminação, sonoplas- tia, maquiagem, figurinos, adereços; noções de dramaturgia; realização de montagens cênicas; confecção de bonecos e máscaras; teatro de sombras; teatro de rua; jogos dramáticos e leitura dramática.

ü Dança: desenvolver oficinas de dança clássica (balé clássico, balé neoclássico, balé contemporâneo, valsa), dança moderna, dança de ritmos, dança de rua (street dance, hip-hop dance, breaking, locking, popping, social dances), dança de salão (forró, samba da gafieira, samba rock, maxixe, merengue, salsa, bolero, cha-cha-chá, rumba, tango argentino, zouk e soltinho), danças brasileiras (reisado, maracatu, pau–da- bandeira, maneiro-pau, caninha verde, bumba meu boi, frevo, fandango, carimbó, catira, samba e danças folclóricas) e danças do mundo.

ü Jogos e brincadeiras circenses: desenvolver ofici- nas de jogos de clown, ilusionismo, slackline, tecido acrobático, jogos acrobáticos de solo, jogos acrobáticos aéreos, jogos de malabares, jogos de equilíbrio e jogos variados.

ü Música: desenvolver oficinas de canto coral, canto popular, percussão, musicalização, construção de objetos sono- ros através de sucatas e outros materiais, violão, sanfona, canto lírico, clarinete, flauta doce, entre outros instrumentos.

ü Artes Plásticas e Visuais: desenvolver oficinas para escultura, desenho artístico, pintura, cartum, quadrinhos, man- gá, moda, design, audiovisual, fotografia, gravura, maquete.

ü Artesanato: desenvolver oficinas de diversas mo- dalidades do artesanato, tais como pintura em tecido, de- coupage, crochê, biscuit, confecção de velas, bonecas, blusas, chaveiros, massas de modelar, escultura em madeira, origami, estamparia, construção de brinquedos não estruturados a partir de sucatas e outros, de acordo com a especialidade do artesão e a necessidade da comunidade.

ü Capoeira: realizar atividades desenvolvendo as técnicas da capoeira, movimento, disciplina, dança, golpes, canto, nos estilos angola ou capoeira regional.

ü Cultura Popular tradicional: desenvolver oficinas de danças regionais, construção de objetos da cultura popular, dentre outras.

ü Cultura Hip Hop: desenvolver oficinas de músicas, danças, (breaking – praticado pelo b-boys e b-girls, popping, lo- cking), grafite, Djs, MCs, discurso/poesia entre outros elementos da cultura Hip Hop.

ü Cultura do Skate: desenvolver oficinas de skate street, freestyle, downhill (longboard), entre outras práticas relacionadas à Cultura do Skate.

ü Cultura Guarani M’byá: (apenas para indígenas fluentes na língua Guarani M’byá e com declaração de perten- cimento a uma das aldeias emitida por uma das Lideranças ou Associação Guarani M’byá) desenvolver oficinas de artesanato, se possível com coleta e corte de matéria prima na época certa, (observando o calendário lunar), qualidade do material (natural e artificial) e da confecção, guarda, música, dança, culinária (plantio, alimentação), mitologia, dentre outras atividades da cultura Guarani M’byá.

ü Cultura Indígena: desenvolver oficinas de artesa- natos, danças, músicas, histórias, literatura, técnicas adequadas de manufatura de objetos para as atividades envolvidas na exploração do ambiente e na adaptação ecológica, produção de cerâmicas, confecção de cestos, caça, pesca e coleta de vegetais silvestres (obedecendo aos ciclos de atividades de subsistência da Floresta Tropical, chuvas, enchentes, estiagem e seca), jogos indígenas, dentre outras.

ü Cultura Africana e Afro-brasileira: desenvolver oficinas de dança, canto, contos, culinária, idiomas, música, confecção de instrumentos musicais, artesanato, confecção de trajes, jogos africanos, dentre outras.

ü Jogos de Tabuleiro: desenvolver oficinas de jogos de tabuleiro clássico como, Go, Luta na Selva, Mancala, Jogo da Onça, Tafl (jogos nórdicos), Trilha (ou jogo do moinho), Xadrez, Shogi (xadrez japonês), Xianggi (ou xadrez chinês), Chaturanga, Chaturaji; ou Jogos de Tabuleiro Moderno como: A Guerra dos Tronos, Agrícola, Amazonas, Batalha Naval, Cara a Cara, Cilada, Combate, Damas Chinesas, Detetive, RPG (dungeons & dragons), outras como , futebol de botão, construção de jogos, dentre outras.

ü Sustentabilidade: desenvolver oficinas de brinquedos e objetos em PET, papel reciclado, caixas ecológicas, retalhos, arte em jornal e demais materiais que tratem os temas de reciclagem e sustentabilidade com aprofundamentos teóricos (história do material utilizado, processo de fabricação com aspectos positivos e negativos, vantagens e desvantagens no impacto ambiental causado pelo material); oficinas de apro- veitamento de água da chuva, de melipolinicultura (criação de abelhas nativas sem ferrão), horta caseira (buscando associar aos conhecimentos de agroecologia, tais como consórcio de espécies, cobertura de solo, controle biológico e natural de pragas), cartografia socioambiental, compostagem, biodiges- tão e produção de biogás. Todas as oficinas deverão oferecer conteúdo teórico que vise reforçar os princípios dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas – ONU.

ü Corpo e Mente: Desenvolver oficinas de yoga, meditação, pilates, jiu jitsu, dança circular entre outras que te- nham como objetivo manter a saúde de forma simples e harmo- niosa, expandida a consciência para que possam compreender a importância de pensar, sentir e agir com calma, serenidade.

ü Arquitetura, Urbanismo e Designer: desenvolver oficinas de desenho arquitetônico, perspectiva, desenho de móveis, confecção de móveis com materiais reciclados, noções básicas de arquitetura (lugares, cores e formas, dos animais e do ser humano e suas proporções) noções básicas de constru- ção (volumes, estruturas e conceitos de construção) construção de maquetes, concepção de casa (funcionalidade, escala e proporção), ocupação de espaço público (formação da cidade, patrimônio e escola) entre outras da área.

Parágrafo Único: O oficineiro deverá ter paciência, criatividade, senso de organização, autocontrole, extroversão, empatia, sensibilidade, capacidade de observação, ser dinâmico, proativo, comunicativo, observador, mediador, saber exercer liderança, compartilhar, propor soluções, saber respeitar as diferenças e tratar com urbanidade os profissionais envolvidos e públicos em geral.

As atividades propostas deverão ser adaptáveis para espaços diversos, como: auditório, salas multiuso, quadras, piscinas, salas de aula, biblioteca, espaços alternativos e ambientes ex- ternos, e estarão sujeitas à disponibilidade de materiais nos CEUs.

DAS INSCRIÇÕES

As inscrições serão realizadas nos dias 17 a 21 de setembro de 2018, no horário das 10h00 às 17h00, nas Diretorias Regionais de Educação.

Na Diretoria Regional de Educação as inscrições serão:

· CEU Perus – Rua Bernardo José de Lorena, 11 – Vl. Malvina/ Perus – Telefone: 3397-6875/6877.

Os interessados deverão preencher formulário de inscrição, conforme Anexo I do presente Edital, disponível, também, no endereço eletrônico: https://goo.gl/E2mef2

Os interessados poderão inscrever-se em uma ou mais categorias, mas em apenas uma Diretoria Regional de Educação, na qual tenha interesse em atuar, mediante entrega do formulário de inscrição referido no item anterior, preenchido e acompanhado dos seguintes documentos:

· Cópia simples, legível, da Carteira de Identidade e do Cadastro de Pessoa Física (CPF). Levar originais no dia da apresentação dos documentos;

· Comprovante de situação cadastral do CPF, que pode ser obtido no “site” da Receita Federal (www.receita.fazenda.gov.br);

· Cópia do comprovante de endereço atualizado;

· Currículo atualizado e assinado;

· Cópia simples, legível, da página da carteira profissional com o número do PIS (levar original no dia da apresentação dos documentos), ou declaração bancária que informe o número do PASEP ou documento que comprove o cadastro do Número de Inscrição do Trabalhador – NIT (quem não detiver tais inscrições poderá providenciá-las cadastrando-se como autônomo no site da Previdência – www.previdencia.gov.br);

· Cópias simples e legíveis de diplomas ou certificados, que comprovem a formação/escolaridade exigida no item 7.1.3;

· Caso o Diploma ou Certificado tenha sido obtido em instituição estrangeira, faz-se necessário apresentar o original e cópia simples de sua revalidação obtida em universidades ou instituições federais de ensino superior brasileira;

· Aos inscritos indígenas não se aplica a exigência de comprovação de formação acadêmica descrita no item 7.1.3, conforme o artigo 231 da Constituição Federal/88 e Estatuto do Índio (Lei nº 6.001/1973). Será exigida declaração de perten- cimento a uma das aldeias emitida por uma das lideranças ou Associação Guarani M’bya.

· A inscrição dos Indígenas fluentes em língua Guara- ni M’bya para Coordenadores de Polo e Agentes de Recreação será válida apenas para atuação nos CECIs e a inscrição para Oficineiro de Cultura Guarani M’bya será válida para todas as Diretorias de Educação.

· Declarações e documentos que possam demonstrar sua experiência no período de 2013 a 2017;

· Proposta de trabalho para os inscritos como oficineiros de acordo com o Anexo III, disponível no endereço eletrônico https://goo.gl/E2mef2

· Declaração do proponente de que tem ciência de que o seu credenciamento não gera direito subjetivo à sua efetiva contratação, de que conhece e aceita incondicionalmente as regras do presente Edital, responsabilizando-se por todas as informações contidas no projeto apresentado (Anexo I);

· Comprovante do CADIN Municipal, obtido no site da Prefeitura (http://www.capital.sp.gov.br).

· Para os profissionais de Esporte ou Educação Física, cópia simples do documento de identificação profissional – CREF, assim como os demais profissionais que tenham um Con- selho e outras entidades de registro e fiscalização do exercício profissional.

www.receita.fazenda.gov.br

http://www3.prefeitura.sp.gov.br/cadin/Pesq_Deb.aspX

Para maiores informações acessar a publicação em anexo.

Adicionar Comentário